Home Chi Sono Percorsi Stefano Rolando CV Wikipedia - Tradução para o Portugês, agosto 2012
Stefano Rolando CV Wikipedia - Tradução para o Portugês, agosto 2012
Wikipedia (2012)
(tradução para o Portugês, agosto 2012)

Stefano Rolando (Milão, 1948) é um professor, manager, comunicador italiano.
  • Professor universitário e manager público e privado, passou por muitas experiências nas áreas de comunicação (jornalismo, editoração, televisão, cinema, publicidade, comunicação corporativa, comunicação pública, telecomunicações) com enraizamentos nas empresas, instituições e sistema universitário.
  • Entre os primeiros investigadores e promotores de comunicação pública em Itália (como diretor geral de Informaçãodo Primeiro-Ministro, 1985-1995) e entre os protagonistas do debate sobre o assunto na Europa há vinte e cinco anos, especialmente na perspectiva da democracia participativa.
  • Nos últimos anos ele tem se concentrado principalmente em estudos e análises no domínio da Branding Publico, com um estilo de escrita que incidem sobre os temas da memória, identidade e mudanças nas políticas nacionais.
  • Ele também foi um dos primeiros a conceber e gerir no sistema universitário a experiência de fundações universitárias em pesquisa aplicada e treinamento.
  • É "Cavaleiro da Grande Cruz de Mérito da República Italiana” (Governo Ciampi 1993), com honras concedidas pelas Repúblicas da França (1991) e Roménia (2008) e professor honorário em Direito e Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires (1990).

Hoje é:
  • Desde 2001, professor titular (agrupamento de Economia e Gestão de Negócios) da Universidade IULM de Milão, onde ele ensina Políticas públicas para as comunicações e Teoria e técnicas da comunicação pública, bem como tendo criado e dirigido o mestrado em Gestão de comunicação social, político e institucional (MASPI).
  • Desde 2008, membro do Conselho Superior das Comunicações (Ministero Comunicazioni, Roma).
  • Desde 2009, presidente da Fundação "Francesco Saverio Nitti" (Roma e Melfi) Regione Basilicata com instituições e Ministérios do Desenvolvimento, Economia e Património Cultural);
  • Desde 2012, presidente da Comissão de Coordenação para a Promoção do Brand Milão, promovido pela cidade de Milão.
  • Desde 2010, presidente de Civicom-Comunicação pública (Roma e Milão).
  • Desde 1986, presidente do Clube of Venice, rede de responsáveis por comunicação institucional dos governos dos países e instituições membros da Comunidade Europeia (Conselho UE, Bruxelas).
  • Desde 1998, Diretor da Revista Italiana de Comunicação Pública.
  • Desde 1979 membro do conselho editorial da revista de Mondoperaio.


Escreveu e escreve em mídias de importância nacional e é autor de diversas publicações nos últimos anos com dois enredos distintos:
  • na área das suas competências disciplinares: em 2012, Teoria e técnicas de comunicação pública, Rizzoli-ETAS, terceira edição; em 2010, Políticas públicas para as comunicações, ETAS, Economia e gestão de comunicação de organizações complexas, CEDAM; A comunicação pública para uma grande sociedade, ETAS; em 2008 Brand Milão, Franco Angeli.
  • no campo da memória, política e identidade nacional: Quarantotto, Ed. Bompiani 2008; Uma voz agora, Ed. Marsilio, 2009; Minha jornada para o século mau, com Maria Luigia Nitti Baldini, Ed. Bompiani 2008, Nossas histórias são nossos jardins, mas os nossos guetos com Marco Pannella, Ed. Bompiani 2009; Paolo Grassi, uma biografia de teatro, música, televisão (co-autor), Ed. Skira 2011; Dois arco-íris no céu de Milão, com Giuliano Pisapia, Ed. Bompiani 2011; O buonapolitica, prefácios por Fabrizio Barca e Giuliano Pisapia, Ed. Rubbettino 2012.
 
Foi:
  • De 1971 a 1972 pesquisador (para a Região da Lombardia e da Comissão Europeia).
  • De 1973 a 1977 diretor de criação no campo da comunicação empresarial (por grandes grupos industriais italianos, incluindo a Fiat e IRI).
  • de 1978 a 1982 diretor da RAI-Radiotelevisione italiana (incluindo assistente de presidentes Paulo Grassi e Sergio Zavoli).
  • De 1982 a 1985 Diretor Geral da Istituto Luce-Italnoleggio cinematografico (sector publico, produção e distribuição cinema e audiovisual).
  • De 1985 a 1995 diretor-geral do Primeiro-Ministro e Chefe do Departamento de Informação e Publicação (governos Craxi, Fanfani,Goria, De Mita, Andreotti, Amato, Ciampi, Berlusconi e Dini).
  • De 1985 a 1993 Membro do Conselho de Administração do SIAE- Società italiana Autori ed Editori.
  • De 1995 a 1996 diretor do Grupo Olivetti (relações externa, institucional e cultural).
  • De 1997 a 2001 diretor geral do Conselho Regional da Lombardia.
  • De 2001 a 2006 Secretário Geral da Conferência Presidentes Assembleias regionais italianas.
  • De 2005 a 2010 Secretário Geral da Fundação Universidade IULM (pesquisa aplicada e treinamento avançado com membros das organizações Assolombarda, Câmara de Comércio de Milão, CTS, Província de Milão e a região da Lombardia) e Diretor Científico da Escola de Comunicação IULM.
 
Em ciência, pesquisa e consultoria:
  • De 2006 a 2010 foi o representante italiano no Conselho Científico UNESCO-BRESCE.
  • De 2006 a 2010, completou as atividades de investigação de competências da Fundação Universitária IULM , onde foi secretário-geral.
  • Entre 1999 e 2008, foi conselheiro dos ministros:  Luigi Berlinguer (Educação), Luigi Mazzella (Administração Pública) e Francesco Rutelli (Patrimônio Cultural), que produziu relatórios de estudo e pesquisa para as políticas públicas e regulamentações.
  • Entre 1984 e 2005 produziu relatórios de pesquisa para as instituições: a Presidência do Conselho de Ministros (Giuliano Amato), CNEL (Giuseppe De Rita), Ministério do Interior (Rosa Russo Jervolino), Ministério dos Negócios Estrangeiros (Franco Frattini),Ministério de Inovação Tecnológica (Lucio Stanca) e para as associações e empresas.
  • Em 2008 foi coordenador da Comissão no Ministério do Patrimônio e da Cultura de uma investigação sobre a economia da criatividade na Itália, liderada por Walter Santagata.
  • No final de 2010 estava entre os presidentes-moderadores da Conferência Nacional de Estatística promovida por Istat.
  • Em 2011, coordenou (para Civicom) um programa de pesquisa apoiado pela Banca Intesa sobre a internacionalização do sistema universitário italiano.
  • Em 2012, como presidente da Fundação Nitti, permitiu a Maratea a Escola de Estudos Avançados em Desenvolvimento do Sul cientificamente inspiradas por Fabrizio Barca e dirigido por Gilberto Seravalli.
  • Em 2012, está desenvolvendo (Civicom para instituições que lidam com impostos) um programa de pesquisa sobre a opinião pública e orientação para cumprimento das obrigações fiscais.
  • Desde 2012 é membro do Conselho Consultivo Internacional de Aberje (Associação Brasileira Comunicação Empresarial).
 
Como professor e conferencista, tem desenvolvido por muito tempo compromissos também com agenda internacional, incluindo recentemente:
  • Aberura (outubro 2009) na Universidade George Washington na capital dos EUA, a conferência pan-americana sobre comunicação de crise.
  • Abertura (maio 2010) na Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul em Porto Alegre, a Conferência Nacional dos pesquisadores de comunicação de universidades e empresas no Brasil.
  • Foi um dos moderadores em Bruxelas da Primeira Conferência Europeia sobre comunicações do setor público (2010), pelo Comitê Europeu das Regiões no Parlamento Europeu.
  • Realizou uma pesquisa sobre a imagem recíproca de Itália e da Roménia (com Fundação IULM para Unimpresa Roménia, patrocinado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de 2008 relatório e conferência em Bucareste de 2008 e Roma 2010).
  • Presidiu (novembro de 2011) na Biblioteca Marciana, em Veneza, a 25 ª sessão do Clube of Venice, responsável por coordenar os comunicacadores de governos de estados membros da UE e das instituições da UE.
  • Realizou em outubro de 2011 e 2012, de agosto em São Paulo palestras sobre Brand Público: entre Itália e Brasil.
  • Tem presidido e lançou em março de 2012, em Sofia (Bulgária)  Conferência Europeia (Club of Venice com o Conselho da UE e Governo da Bulgária) sobre a "comunicação de crise".